Ir direto para menu de acessibilidade.
Acesso à informação
Página inicial > Histórico
Início do conteúdo da página

Histórico

Publicado: Quarta, 03 de Fevereiro de 2016, 14h29 | Última atualização em Segunda, 16 de Abril de 2018, 13h34 | Acessos: 6469

Gen GIRARD 1º Comandante
Gen GIRARD 1º Comandante

No século XIX, em 1808, vamos encontrar os primeiros sinais das atividades de Estado-Maior no Brasil, com o surgimento do Quartel-General da Corte, que orientava e coordenava as atividades das forças militares de D. João VI.

Quase 100 anos depois, o Decreto de 02 de outubro de 1905 criou a Escola de Estado-Maior. O Exército entra em uma nova fase, na qual passaram a ser ministrados regularmente aos oficiais, ensinamentos estratégicos, táticos e logísticos indispensáveis ao preparo e ao emprego da Força Terrestre, deixando para trás muitos dos pensamentos do século anterior.

 

INFLUÊNCIAS

 

Com o término da 1ª Guerra Mundial em 1918, o governo brasileiro foi buscar, na França, instrutores especializados em assuntos ligados à arte da guerra. Assim, com a missão militar aqui instalada, a atualização profissional chegou aos oficiais da Escola de Estado-Maior. Grandes méritos foram creditados à missão militar francesa, que muito se empenhou na divulgação de novos processos de combate, legando, inclusive, publicações sobre táticas das armas, serviços em campanha e chefia militar. A permanência da missão se estendeu até 1940.

Aparticipação do Brasil na 2ª Guerra Mundial gerou modificações profundas na doutrina, nos currículos e nos métodos de ensino e de trabalho, além do próprio ambiente da Escola de Estado-Maior. O retorno dos últimos três membros da missão militar francesa e os acordos militares com os norte-americanos concorreram, decisivamente, para que essas modificações acontecessem. Surgiu, a partir de 1940, uma nova etapa na trajetória da Escola, marcada pela sua instalação definitiva no prédio da Praia Vermelha.

 

CONHEÇA NOSSA CRONOLOGIA

1905 - Criação da Escola de Estado-Maior (EEM), subordinada ao Estado-Maior do Exército (EME).
1906 - Início do funcionamento no antigo prédio do Ministério da Guerra, na ala voltada para a Central do Brasil.
1907 - Instalação provisória na extinta Escola Militar do Brasil, na Praia Vermelha.
1909 - Diplomação da primeira turma; aumento do curso para três anos e inclusão do ensino de Estratégia e da História Militar.
1916 - Início da participação de autoridades civis e militares como conferencistas na Escola.
1918 - Suspensão temporária das atividades escolares em decorrência da Primeira Guerra Mundial.
1920 - Reinício das atividades na ala norte do antigo Ministério da Guerra; início da orientação da Missão Militar Francesa.
1921 - Instalação no edifício ocupado pelo Primeiro Batalhão de Polícia do Exército, situado na Rua Barão de Mesquita.
1940 - Instalação definitiva no atual prédio da Praia Vermelha, coincidentemente com o término da Missão Militar Francesa.
1947 - Criação do Curso de Estado-Maior de Serviços.
1955 - Mudança de denominação para Escola de Comando e Estado-Maior do Exército (ECEME).
1964 - Introdução das "áreas de ensino" no currículo da ECEME.
1965 - Reorganização da ECEME para atender à nova sistemática de ensino e criação do Curso de Preparação à ECEME.
1968 - Substituição das áreas de ensino por seções de ensino.
1969 - Mudança de subordinação do EME para a Diretoria de Formação e Aperfeiçoamento (DFA), órgão do Departamento de Ensino e Pesquisa (DEP) do Ministério do Exército.
1977 - Início do curso de Estado-Maior com duração de dois anos; diplomação da primeira turma do Curso de Direção para Engenheiros Militares.
1986 - Criação do Curso de Política, Estratégia e Alta Administração do Exército (CPEAEx).
1988 - Diplomação da primeira turma do CPEAEx
1996 - Início da reestruturação da Escola para adequação à modernização do Sistema de Ensino do Exército.
2001 - Implementação do Programa de Pós-Graduação da ECEME.
2005 - Comemoração do Centenário da ECEME e denominação Histórica de Escola Marechal Castello Branco;
2006 – Criação do Curso de Gestão e Assessoramento de Estado-Maior;
2012 – Criação do Instituto Meira Mattos;
2015 – Reconhecimento do Mestrado Acadêmico do PPGCM pela CAPES;
2016 – Implementação do Ensino por competências e reestruturação da Escola para adequação a esse ensino; Reconhecimento do Doutorado Acadêmico do PPGCM pela CAPES; e
2017 – Transferência do CGAEM para a Escola de Formação Complementar do Exército (EsFCEx).

Fim do conteúdo da página